Na Tarefa da Paz

"... A minha paz vos dou ..." – Jesus (João. 14:27.)

Todos ambicionam a paz. Raros ajudam-na.
Que fazes por sustentá-la?
Recorda que a segurança dos aparelhos mais delicados depende, quase sempre, de parafusos pequeninos ou de junturas inexcedivelmente singelas.
Não haverá tranquilidade no mundo, sem que as nações pratiquem a tolerância e a fraternidade.
E se a nação é conjunto de cidades, a cidade é um agrupamento de lares, tanto quanto o lar é um ninho de corações.
A harmonia da vida começará, desse modo, no íntimo de nossas próprias almas ou toda harmonia aparente na paisagem humana será sempre simples jogo de inércia.
Comecemos, pois, a sublime edificação no âmago de nós mesmos.
Não transmitas o alarme da crítica, nem estendas o fogo da crueldade.
Inicia o teu apostolado de paz, calando a inquietação no campo do próprio ser.
Onde surjam razões de queixa, sê a cooperação que restaura o equilíbrio; onde medrem espinhos de sofrimento, sê a consolação que refaz a esperança.
Detém-te na Tolerância Divina, e renova para todas as criaturas de teu círculo as oportunidades do bem.
Reafirma o compromisso de servir, silenciando sempre onde não possas agir em socorro do próximo.
Ao preço da própria renunciação, disse-nos o Senhor:
– "A minha paz vos dou".
E para que a paz se faça, na senda em que marchamos, é preciso que à custa de nosso próprio esforço se faça a paz em nós, a fim de que possamos irradiá-la, em tudo, no amparo vivo aos outros.

Emmanuel
Palavras de Vida Eterna, cap. 46